quinta-feira, 19 julho 2018
Fale Conosco | (24)3343-5229

Nacional

Três cidades de SP na divisa com Rio terão vacinação contra febre amarela

No estado do Rio não foi incluída nenhuma cidade do Centro-Sul Fluminense

09/01/2018 14:23:52

Três cidades localizadas na divisa do estado de São Paulo com o Rio de Janeiro, no Sul Fluminense, foram incluídas entre as 75 onde o Ministério da Saúde – em conjunto com as secretarias estaduais de Saúde – vai realizar a vacinação de moradores contra a febre amarela. Bananal, que faz divisa com Barra Mansa; Cunha, no limite com Paraty, e Queluz, na divisa de São Paulo com o Rio, em Resende, foram incluídas na campanha que vai vacinar, ao todo, quase 20 milhões de pessoas nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia. Em São Paulo, desde junho do ano passado até agora, 13 pessoas morreram em consequência da doença.

No estado do Rio foram incluídas 15 cidades, mas nenhuma do Centro-Sul Fluminense. A mais próxima desta região onde haverá imunização será Seropédica.

O objetivo é evitar a circulação e expansão do vírus da febre amarela. A campanha de vacinação será feita com doses fracionadas e padrão. A adoção do fracionamento das vacinas é uma medida preventiva que será implementada em áreas selecionadas, durante período determinado de 15 dias.

Ao anunciar a medida, nesta terça-feira, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, explicou que a adoção do fracionamento visa evitar um surto como ocorreu no primeiro semestre de 2017. “Os estudos concluídos, até o momento, demonstram que a vacina padrão e a fracionada têm a mesma eficácia. No entanto, o Ministério da Saúde continuará acompanhando e atualizando as estratégias, conforme a atualização das pesquisas”, afirmou o ministro. O anúncio foi feito em conjunto com representantes das secretarias estaduais de saúde de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia.

A estratégia de fracionamento da vacina é recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) quando há aumento de epizootias e casos de febre amarela silvestre de forma intensa, com risco de expansão da doença em cidades com elevado índice populacional e que não tinham recomendação para vacinação anteriormente.

A coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Carla Domingues, explicou que a febre amarela é uma doença sazonal, geralmente com aumento de casos de dezembro a maio. “Para evitar que isso aconteça, estamos antecipando essa vacinação porque o vírus entrou em uma área com elevada densidade populacional”, justificou a coordenadora. Segundo ela, se a medida não fosse adotada, poderia ocorrer aumento de casos e óbitos.

No Rio de Janeiro e Bahia, devido ao período do Carnaval, as campanhas ocorrerão de 19 de fevereiro a 9 de março, sendo o dia 24 de fevereiro o dia D de mobilização.

A febre amarela é transmitida por meio de vetor (mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes no ambiente silvestre). O último caso de febre amarela urbana foi registrado no Brasil em 1942, e todos os casos confirmados desde então decorrem do ciclo silvestre de transmissão, segundo o Ministério da Saúde.

+ Lidas

Em foco

Notícias primeiro na sua mão

Primeiro cadastre seu celular ou email para receber as ultimas notícias.

Curta nossa fan page, receba todas as atualizações - Foco Regional

Tempo Real

20:04 Polícia