terça-feira, 18 dezembro 2018
Fale Conosco | (24)3343-5229

Especiais

Tocha paralímpica é acesa em Brasília e chega ao Rio de Janeiro no dia 6

01/09/2016 12:35:34

Em cerimônia que marcou o início do revezamento no Brasil, a tocha paralímpica foi acesa hoje em Brasília de forma inusitada: por meio da participação de internautas de todo o mundo que, nas redes sociais, utilizaram a hashtag #ChamaParalimpica. No Twitter, o assunto chegou a entrar na lista de trending topics.

Com desenho e características próprias, a tocha será acesa em um total cinco cidades até chegar ao Rio de Janeiro no dia 6 próximo, sendo que cada uma delas vai representar um valor paralímpico: Brasília – igualdade; Belém – determinação; Natal – inspiração; São Paulo – transformação; Joinville – coragem; e Rio de Janeiro – paixão.

Em Brasília, a solenidade foi realizada no Parque da Cidade, tendo como primeiro condutor da tocha Cláudio Irineu da Silva, ex-atleta de futebol e vôlei sentado.

Ao todo, 103 pessoas farão o revezamento nos seguintes pontos da capital, depois de passar também pelo Parque das Garças: Hospital Sarah Kubitschek, no Lago Norte - 11h24 às 12h07;  Instituto Educacional e Profissionalizante para Pessoas com Deficiência - Setor de Indústria e Abastecimento Trecho 2 - 13h56 às 14h17; Escola Nacional de Administração Pública/Cetefe, no Setor Policial - 14h31 às 15h08; Centro de Ensino Especial de Deficientes Visuais , na 612 Sul - 15h19 às 15h51; revezamento de 10 km a partir do estacionamento 13 do Parque da Cidade, com passagem pela pista de caminhada, pelo kartódromo e pela hípica e chegada no estacionamento 12  - 16h15 às 18h23; e evento para celebrar o Movimento Paralímpico, no estacionamento 12 do Parque da Cidade - 18h30 às 19h30.

Programa em família

O músico Amaro Vaz, 34 anos, faltou ao trabalho para participar da cerimônia de início do revezamento da tocha. Acompanhado dos filhos João Vicente, 5 anos, e Davi, 2 anos, ele vibrou bastante.

“Tentamos nos programar para o início do revezamento da tocha olímpica, mas não deu tempo. Chegamos atrasados e perdemos. Hoje, consegui realizar o sonho dos meus filhos e meu também. É uma oportunidade única porque a gente não sabe quando vai ter isso de novo aqui no Brasil”, disse.

A dona de casa Nilza Lopes, 42 anos, acompanhou a cerimônia com o filho Brayan, 5 anos. O menino nasceu com hidrocefalia e se desloca por meio de uma cadeira de rodas. “Ele não sente as pernas, mas gosta muito de esporte. Chegou até a conhecer o Neymar [da Seleção Brasileira e do Barcelona] durante a Olimpíada, em um dos jogos aqui em Brasília. Quero agora que ele assista as paralímpíadas na TV pra ver como tudo funciona”, afirmou.

Brayan se mostrou animado com a competição: “Gostei muito do que vi hoje. Achei tudo muito bonito. Quando crescer, quero jogar futebol”, confessou. Com informações da Agência Brasil.

Comentários via Facebook

(O Foco Regional não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

+ Lidas

Em foco

Notícias primeiro na sua mão

Primeiro cadastre seu celular ou email para receber as ultimas notícias.

Curta nossa fan page, receba todas as atualizações - Foco Regional

Tempo Real

18:17 Cidades