domingo, 21 outubro 2018
Fale Conosco | (24)3343-5229

Polícia

Quadrilha que fraudava contas bancárias é alvo de operação

Ação é segunda fase da Open Doors

17/09/2018 07:24:40

A Polícia Civil e o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, deflagraram nesta segunda-feira uma operação para desarticular uma quadrilha especializada em aplicar golpes através de fraudes bancárias. É a segunda fase da Operação Open Doors (Portas Abertas).

Foram expedidos 43 mandados de prisão e mais de 40 de busca e apreensão em sete estados do país. Ao todo estão sendo denunciados 237 suspeitos. O grupo, segundo as investigações, teria furtado mais de R$ 30 milhões de contas bancárias.

No estado do Rio, as ações se concentram em Barra Mansa, Volta Redonda e Angra dos Reis, além de Vargem Grande e no Recreio dos Bandeirantes, no Rio. Mandados estão sendo cumpridos também em São Paulo, Bahia, Ceará, Santa Catarina, Paraná e Pará.

De acordo com as investigações, o grupo tinha como vítimas tanto pessoas físicas como grandes empresas. Entre 2016 a 2017 foram detectadas mais de 80 ações do bando. Ainda segundo a polícia, o grupo atua no Sul Fluminense há mais de dez anos, a partir de Barra Mansa.

Com acesso a dados cadastrais sigilosos, os suspeitos entravam em contato com as vítimas ou até mesmo departamentos jurídicos de grandes empresas e se passavam por funcionários de bancos. Daí em diante, os criminosos forjavam um processo de atualização de cadastro. Com acesso a número de protocolo, as vítimas eram direcionadas para uma página clonada e hackers tinham acesso a dados sigilosos. De posse de senhas, os golpes levavam no máximo 20 minutos, tempo suficiente para que altas quantias fossem transferidas para diversas contas de “laranjas”.

Também conforme as investigações, outra parte da quadrilha entrava em ação, seguindo até agências bancárias para efetuar saques. Uma grande empresa do ramo de planos de saúde, por exemplo, sofreu golpes estimados em R$ 500 mil, segundo o Ministério Público. Os criminosos levavam menos de dez minutos para fazer as transferências. A preferência era por empresas.

Ainda segundo as investigações, os acusados costumavam esbanjar e aplicavam as quantias subtraídas em imóveis e carros de luxo.

Em agosto do ano passado, a Justiça já havia expedido 33 mandados de prisão contra integrantes da quadrilha. Segundo o MPRJ, os suspeitos serão indiciados por diversos crimes, entre eles organização criminosa, lavagem de dinheiro e furto qualificado.

+ Lidas

Em foco

Notícias primeiro na sua mão

Primeiro cadastre seu celular ou email para receber as ultimas notícias.

Curta nossa fan page, receba todas as atualizações - Foco Regional

Tempo Real

14:12 Polícia