sábado, 17 agosto 2019
Fale Conosco | (24)3343-5229

Estado

Polícia localiza cemitério clandestino usado por milícia em Queimados

Eles teriam sido assassinados pelo grupo criminoso Caçadores de Ganso

20/07/2019 10:44:35

A Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), localizou o cemitério clandestino da milícia na área rural de Queimados, na Baixada Fluminense. Dois corpos foram encontrados em um poço artesiano em um sítio abandonado, sendo que numa das vítimas estava decapitada. As vítimas teriam sido assassinadas dentro de um carro encontrado também na sexta-feira abandonado em um dos condomínios. Os corpos foram localizados no sítio durante a noite e retirados com o auxílio do Corpo de Bombeiros.

Segundo as investigações, eles teriam sido assassinados pelo grupo criminoso Caçadores de Ganso, que atua na região e foi alvo da Operação Hunter, realizada quinta-feira em conjunto com o Ministério Público estadual. A ação teve como objetivo cumprir mandados de prisão e busca e apreensão contra integrantes da milícia que domina os condomínios do programa Minha Casa, Minha Vida. Até o momento 26 pessoas foram presas, entre elas o vereador e ex-secretário de Defesa Civil do município Davi Brasil Caetano.

Líder da milícia

O vereador Davi Brasil Caetano (Avante) é considerado pelo Ministério Público estadual como líder da milícia que age na região, principalmente em três condomínios do Minha Casa, Minha Vida, que são o Valdariosa, Ulysses Guimarães e Eldorado. O parlamentar, preso na ação também é policial militar reformado e foi investigado em 2017 pelo Ministério Público. Atualmente exercia o papel de liderança do grupo. Ele fazia a coordenação de todos os outros integrantes, inclusive foi responsável por expandir essa milícia que começou no condomínio Ulysses Guimarães.

A promotora de Justiça, Mariana Segadas, do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), disse que Davi é apontado como líder da milícia conhecida como “Caçadores de Ganso”. Ele é acusado de vários homicídios e responsável pela exploração da atividade de distribuição clandestina de sinal de TV a cabo, além da venda de botijões de gás e de água mineral. A promotora disse também que o grupo inovou: qualquer morador que fosse fazer um churrasco era obrigado a comprar carne, linguiça, asa de frango e carvão também para a milícia, o chamado “kit churrasco”. (Foto: Agência Brasil)

Comentários via Facebook

(O Foco Regional não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

+ Lidas

Em foco

Notícias primeiro na sua mão

Primeiro cadastre seu celular ou email para receber as ultimas notícias.

Curta nossa fan page, receba todas as atualizações - Foco Regional

Tempo Real

20:43 Polícia