segunda-feira, 17 dezembro 2018
Fale Conosco | (24)3343-5229

Cultura

Museu particular mostra seu acervo à Fundação Cultura Barra Mansa

15/11/2018 10:30:43

Um rico acervo de obras pré-colombiana, artes oriental e africana, moedas, selos, porcelanas e cerâmicas entre outros milhares de itens está em Barra Mansa. Por enquanto poucas pessoas conhecem o Museu Multitemático, instalado no bairro Santa Rosa pelo médico e ex-vereador Francis Bullos.

A coleção foi visitada recentemente pela equipe da Fundação Cultura Barra Mansa (FCBM), acompanhada da vice-prefeita, professora Fátima Lima. As professoras das salas de leitura da rede municipal de ensino também participaram da visita.

Organizados em diversas coleções, o MMT está abrigado numa estrutura construída de forma similar à um castelo medieval. “Como não há possibilidade de tudo estar exposto ao mesmo tempo, sempre substituímos as obras. Por isso o nome de Museu Multitemático”, explicou Bullos.

Mais de 30 mil obras catalogadas compõem o acervo. Em paredes de vidro que ficam ao lado do museu é possível encontrar jornais antigos que marcaram a história, como o anúncio do voo de Santos Dumont, a morte de Dom Pedro e diversos jornais de outros países, em vários idiomas. São mais de 800 mídias em áudio e vídeo.

Durante a visita, foi apresentado o áudio de um disco de vinil com discursos dos ex-presidentes João Goulart, Getúlio Vargas e ainda a transmissão da missão que levou o primeiro homem a pisar na Lua.

O presidente da FCBM, Marcelo Bravo, disse que vivenciou uma verdadeira aula de história, cultura e arte no museu. “Quero fazer um destaque sobre a sensibilidade de um barramansense em reunir uma coleção de objetos ricos e valiosíssimos para a história e a memória da cidade, do Brasil, e também da humanidade. Uma moeda da época da crucificação de Jesus Cristo, as máscaras africanas, uma coleção de cerâmica brasileira, arte popular, mas também obras de artistas consagrados como Tarsila do Amaral, Di Cavalcanti e até Romero Brito. Dá gosto de ver e ouvir todas as histórias”, disse o presidente.

Fátima Lima considera o museu uma riqueza para a cidade. “O local é fascinante e oferece meios para um aprendizado mais profundo aos nossos jovens. Também é uma preciosidade para os professores, principalmente das áreas de história, geografia e literatura”, destacou a vice-prefeita.

Com o mês de novembro dedicado à consciência negra, durante a visita, Francis Bullos aproveitou para contar que se emociona toda vez que faz a leitura dos documentos que comprovam a compra e venda de escravos em Barra Mansa. “Com o nome e idade da ‘mercadoria’ transacionada, o museu conta com os documentos que comprovam a compra e venda de escravos na cidade, cujos impostos, conforme a documentação, foram recolhidos aos cofres municipais”, disse.

Bullos afirmou ainda que a partir desses documentos escreveu a obra “Caminhos de Sangue”.

- Eram escravos que vinham do Nordeste para suprir lavouras do Sudeste. Escrevi em minha coluna da Voz da Cidade, Vidas Contadas, a saga do comércio nefando, quando faziam seres humanos virem a pé de Alagoas até aqui. Tive o privilégio de vê-lo inserido em tese de doutorado da Universidade Federal de Pernambuco”, concluiu.

O Museu Multitemático de Barra Mansa ainda não está aberto à visitação pública. A ideia de Bullos é consolidá-lo como ponto turístico para quem aprecia história, arte e cultura da cidade, do Brasil e do mundo. (Fotos: Divulgação)

 

Comentários via Facebook

(O Foco Regional não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

+ Lidas

Em foco

Notícias primeiro na sua mão

Primeiro cadastre seu celular ou email para receber as ultimas notícias.

Curta nossa fan page, receba todas as atualizações - Foco Regional

Tempo Real

12:44 Política