terça-feira, 23 janeiro 2018
Fale Conosco | (24)3343-5229

Economia

CSN reajusta em 23% preço do aço para montadoras de veículos

04/01/2018 07:22:03

A CSN fechou acordos com montadoras de veículos para reajustar em 23% o preço de aço vendido ao setor em 2018 e em 18% a 23% para grandes clientes industriais, como setor de eletrodomésticos. A informação foi dada pela própria companhia, segundo o jornal Folha de São Paulo. O reajuste para as montadoras ficou abaixo do pretendido pela empresa e do aplicado no início do ano passado, quando a CSN anunciou aumento de 25% para o setor automotivo, citando alta nos preços da liga nos mercados internacionais.

No fim de outubro, o diretor comercial da companhia, Luis Fernando Martinez, havia comentando que a CSN estava pretendendo obter reajuste de 25% a 30% nos preços do aço vendido a montadoras em 2018.  Segundo uma fonte da CSN mencionada pelo jornal paulista, com o reajuste deste início de ano, os preços da empresa em relação aos praticados nos mercados internacionais ficarão no máximo 5% mais altos. "O minério [de ferro] continua apreciado bastante e com certeza esses números podem levar a novos aumentos [de preços] no ano."

"Vamos acompanhar a paridade internacional com um prêmio de 5% a 10%. Em havendo movimentos de alta em 2018 vamos acompanhar aqui dentro essas oscilações", afirmou a fonte à Folha, acrescentando que os contratos com montadoras de veículos variam de seis meses a um ano, enquanto com a indústria são trimestrais e semestrais.

A indústria brasileira de veículos, que é responsável por cerca de um terço da demanda das siderúrgicas do país, interrompeu em 2017 série de quatro anos de queda nas vendas, encerrando o ano com crescimento de 9%. Para 2018, a expectativa do setor é de expansão na casa dos dois dígitos. Até o final de novembro, a produção do setor havia crescido 25,5%, impulsionada pelo mercado interno e vendas ao exterior.

Segundo dados do Instituto Aço Brasil (IABr), a produção de aços laminados planos de janeiro a novembro do ano passado subiu 12% sobre o mesmo período de 2016, para 12,6 milhões de toneladas. Já a de aços longos, mais usados na construção civil, teve queda de 2,7%, a 8 milhões de toneladas.  

+ Lidas

Em foco

Notícias primeiro na sua mão

Primeiro cadastre seu celular ou email para receber as ultimas notícias.

Curta nossa fan page, receba todas as atualizações - Foco Regional

Tempo Real

17:43 Polícia