terça-feira, 21 agosto 2018
Fale Conosco | (24)3343-5229

Economia

Comissão aceita PPR proposta pela CSN

21/05/2018 19:38:22

A Comissão Paritária formada por representantes da CSN, dos sindicatos que representam os trabalhadores e por funcionários da empresa aceitou nesta segunda-feira a proposta da empresa para o pagamento da PPR (Programação de Participação nos Resultados) de 2017. A empresa pagará 1,5 salário para quem recebe até R$ 3,2 mil e 90% do salário para quem ganha acima deste valor.

Para quem recebe até R$ 3,2 mil, a empresa pagará um salário junto com  os vencimentos de maio e o restante no salário de agosto. Os demais receberão, também em maio, 60% do valor, ficando a outra parte também para 30 de agosto.

A empresa se negou a continuar negociando com o Sindicato dos Metalúrgicos depois que, na última sexta-feira, a mesma proposta foi recusada, informou o diretor de Organização por Local de Trabalho, Eclair Rozatto. Antes, a companhia ofereceu 92% do salário.

A legitimidade para aceitar ou não a PPR é da comissão, formada por 26 pessoas: 13 representantes da empresa, seis dos sindicatos (incluindo Metalúrgicos e Engenheiros de Volta Redonda) e sete funcionários da empresa eleitos também para representar os demais. “O sindicato deixou registrada em ata a discordância, quer o fim desta comissão. Os trabalhadores não têm estabilidade, como vão votar contra a empresa na frente os seus gerentes?”, questionou Eclair. “Não há o que fazer neste caso”, acrescentou, ao confirmar o cancelamento da assembleia que seria realizada nesta terça-feira.

O sindicalista lembrou que a CSN só mexeu na proposta justamente pela interferência do sindicato. O presidente Silvio Campos e Ecladir estiveram duas vezes pessoalmente com o presidente da companhia, Benjamin Steinbruch, depois que a empresa ofereceu, inicialmente, 10% do salário como participação. Ainda houve uma conversa entre os sindicalistas e o executivo por telefone, mas ele alegou que a proposta definida nesta segunda era o máximo que a CSN poderia conceder.

- A gente tentou sensibilizar a empresa. Em 2016, a empresa teve prejuízo de US$ 835 milhões e pagou 2,4 salários. Em 2017, teve lucro de US$ 110 milhões. Queríamos ao menos que fosse igual à do ano passado – afirmou Eclair.

O curioso é que, na votação dentro da comissão, cinco membros não compareceram: quatro funcionários e um representante sindical. “A gente já saiu perdendo de cinco a zero”, lamentou o diretor. (Foto: Arquivo-06/01/2016)

+ Lidas

Em foco

Notícias primeiro na sua mão

Primeiro cadastre seu celular ou email para receber as ultimas notícias.

Curta nossa fan page, receba todas as atualizações - Foco Regional

Tempo Real

15:41 Política