terça-feira, 04 agosto 2020
Fale Conosco | (24)3343-5229

Política

Após reação de procuradores, prefeitura de BM retifica nota

15/07/2020 12:30:42

A assessoria da prefeitura de Barra Mansa emitiu uma nota na manhã desta quarta-feira (15), retificando a que foi distribuída à imprensa na véspera, relacionada ao afastamento do prefeito Rodrigo Drable, por ordem judicial. Na primeira nota, a assessoria divulgou que o “corpo jurídico do município já estava trabalhando na elucidação dos fatos”. Na retificação, a assessoria cita “o corpo jurídico de Rodrigo Drable”.

A retificação foi feita após nota divulgada, ainda na terça-feira, pela Associação dos Procuradores do Vale do Paraíba e da Costa Verde Fluminense, esclarecendo que a atribuição legal destes profissionais é “a defesa dos interesses do município e de toda a coletividade (...) não sendo órgão representativo da figura de prefeito e não pode fazer sua defesa pessoal (...)”.

DECISÃO JUDICIAL – Rodrigo Drable foi afastado do cargo pela Justiça, a pedido do Ministério Público (MPRJ), após denúncia do vereador Gilmar Lelis de que lhe teria sido oferecida uma propina de R$ 30 mil para votar a favor da aprovação das contas do prefeito, relativas a 2018, rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). Ao levar a denúncia ao MPRJ, o parlamentar apresentou gravações de conversas com outro vereador, Zélio Show, e com o próprio prefeito.

Drable foi alvo de um dos 11 mandados de busca e apreensão expedidos pelo Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro e chegou a ser preso em flagrante, pois em sua casa foi encontrada uma arma sem o devido registro. Segundo apurou o FOCO REGIONAL, o prefeito pagou fiança de R$ 5 mil para responder em liberdade por posse ilegal de arma de fogo. Em uma live na noite da terça-feira numa rede social, o prefeito falou em “armas” encontradas em sua residência. Ele justificou que elas teriam pertencido a seu avô e reconheceu que deveriam ter sido registradas.

Na sua manifestação, Drable comentou o episódio, afirmando que recebeu, na terça pela manhã, uma “visita desagradável” da polícia em sua casa. “Essa é a única razão para ter sido conduzido para a delegacia [de Barra Mansa]. Ainda assim, por mais que estivesse errado, isso foi uma afronta à minha família”, considerou ele, lamentando que seu pai tenha passado pela situação.

Na live, Rodrigo Drable ainda afirmou que não tinha por que comprar o voto de Lelis, já que precisava de 13 votos para que suas contas fossem aprovadas e teve 14 (dos 19 vereadores). Ele não mencionou, no entanto, as gravações feitas pelo vereador, que foram divulgadas pela TV Globo. “Diferente do passado, eu não estou sendo afastado por corrupção, de roubo de dinheiro público, mas porque um grupo está se dedicando a tentar me tirar da cadeira pra ocupar o espaço”, acrescentou. Ele finalizou dizendo que vai defender a sua “integridade e minha moral custe o que me custar”.

A decisão de afastamento do cargo não se restringiu a Rodrigo Drable. Zélio Show e o presidente da Câmara, Paulo Chuchu, também foram afastados de suas funções públicas.

Comentários via Facebook

(O Foco Regional não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

+ Lidas

Em foco

Notícias primeiro na sua mão

Primeiro cadastre seu celular ou email para receber as ultimas notícias.

Curta nossa fan page, receba todas as atualizações - Foco Regional

Tempo Real

16:33 Educação