sexta-feira, 18 outubro 2019
Fale Conosco | (24)3343-5229

Polícia

Beltrame diz que polícia do Rio encontra problemas ao executar operações policiais

29/09/2011 16:51:06

O secretário de segurança do Rio, José Mariano Beltrame, afirmou nesta terça-feira que a polícia fluminense encontra problemas na execução das operações policiais. O comentário foi feito pelo secretário depois de ser questionado sobre o grande número de mortes causadas pela polícia no Estado.

 

"Muitas vezes a gente não atua no complexo do Alemão, porque a gente tem compromisso e responsabilidade com a população. A gente não pode fazer simplesmente uma operação para dar uma satisfação para quem quer que seja. A gente trabalha com planejamento, com investigação, com inteligência policial. Nosso problema se dá normalmente nas execuções das operações e não na informação da inteligência", disse o secretário. Segundo o secretário de segurança, o enfrentamento ao tráfico de drogas no Rio é difícil e complexo. Ele afirma que as quadrilhas que vendem entorpecentes no estado usam armas de calibre restrito, possuem uma ideologia de facção e têm como característica o controle de territórios, em geral favelas.

"O que temos aqui é diferente do que se tem em qualquer outro lugar. E a polícia tem que enfrentar essas situações e vai continuar enfrentando. Agora, que fique bem claro: o enfrentamento se dá a esse grupo e a essas pessoas que têm essa característica. É complexo, é difícil, mas não vamos ficar sem atuar. Nós vamos em frente", disse Beltrame.

Desde janeiro de 2007, mais de 3 mil pessoas foram mortas pela polícia em supostos confrontos com a polícia, os chamados autos de resistência, no Rio. E, entre janeiro de 2007 e junho deste ano, 41 pessoas morreram vítimas de balas perdidas, em ações policiais ou não, no estado.

Em outubro deste ano, duas pessoas inocentes morreram em ações policiais no Rio de Janeiro, baleadas em meio a troca de tiros entre criminosos e a polícia. Severino Marcelino dos Santos foi atingido na cabeça durante operação na Vila Cruzeiro, no complexo da Penha, no dia 23 de outubro. Na mesma ação, pelos menos quatro pessoas ficaram feridas com balas perdidas.

Dois dias depois, Ana Cristina do Nascimento, que estava com um bebê de 11 meses no colo, foi atingida por um tiro e morreu na favela Kelson’s, também na zona norte. O bebê foi ferido no braço. Testemunhas afirmaram que houve troca de tiros entre policiais e criminosos da comunidade.

Em visita ao morro Dona Marta, onde acompanhou a alta comissária da ONU para direitos humanos, Navanethem Pillay, o secretário falou ainda sobre os baixos salários pagos aos policiais do Rio e de outros estados brasileiros. "O policial no Brasil tem que ser melhor pago. Essa é uma questão e também nesse aspecto vem a nossa ação junto ao governo federal para que ele possa contribuir com isso, de certa forma, e ajudar, no mínimo a minimizar esse problema", disse.

 

 

Comentários via Facebook

(O Foco Regional não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

+ Lidas

Em foco

Notícias primeiro na sua mão

Primeiro cadastre seu celular ou email para receber as ultimas notícias.

Curta nossa fan page, receba todas as atualizações - Foco Regional

Tempo Real

20:09 Cidades