quinta-feira, 17 agosto 2017
Fale Conosco | (24)3343-5229

Colunas

por: Ingridy Ribeiro

Você quer ou você deseja?

16/06/2017 11:01

“Cuidado com o que desejas, pois poderás ser atendido”, diz o provérbio judaico. Será que você quer o que você deseja?

Não é incomum na nossa vida, entrarmos em conflito com o querer e o desejar.  Enquanto o querer é mais racional e geralmente vem acompanhado de explicações, o desejar ultrapassa a racionalidade e normalmente não sabemos explicar a razão do nosso desejo.

Eu posso querer um relacionamento duradouro, por exemplo, mas no meu interior desejar não me entregar a ninguém. Resultado? Possivelmente viverei uma vida de insatisfação amorosa, ainda que me sinta amada. Eu posso querer passar para medicina e desejar ser músico, querer emagrecer e desejar não ser notada, querer ser independente financeiramente e desejar não deixar a casa e a companhia dos meus pais, querer o sucesso e desejar não ser invejado. Portanto, o nosso querer é bem distinto do desejar.

Conta para mim: quantas vezes você já lutou por algo e perdeu o interesse assim que o obteve?

Freud falava sobre o êxito que adoece, das pessoas que se deprimem logo quando alcançam a realização. Lacan propõe que deveríamos ser gratos por quem não nos deu o que queríamos.  A boa notícia? A insatisfação é um caminho necessário para que possamos evoluir e alcançar a plenitude. Aceitar isso mudou a minha vida.

Aproveito para reforçar também que você não deve ter medo de ter medo. Podemos fazer do medo um recurso de crescimento, de expansão e de clareza do desejo que há por trás daquilo que tememos.

A meu ver, o melhor caminho contra uma vida de boicotes e frustrações, será sempre o bom e velho autoconhecimento. Através dele, conseguimos compreender nossos medos e melhor ajustar o nosso querer e o nosso desejar. Em suma, o ideal é que queiramos algo tanto quanto nós desejamos. É o desejar profundo, reforçado pelo querer que gera ação, de preferência acompanhado de uma boa estratégia - nosso cérebro adora concretude!

Portanto, querido leitor, reflita sobre essas diferenças e escolha qual das duas atitudes é melhor para a sua vida. Ela é demasiada curta para ser pequena, para viver apenas de intenções. “Levanta-te, desperta!”, descubra pelo o que vale a pena viver e troque o comodismo por realizações.

Se este conteúdo foi útil para você, compartilhe com as pessoas que você gosta e inspire transformações.

Até a próxima!

Ingridy Ribeiro é Coach de Vida & Carreira. Escreve às sextas-feiras

Em foco

Notícias primeiro na sua mão

Primeiro cadastre seu celular ou email para receber as ultimas notícias.

Curta nossa fan page, receba todas as atualizações - Foco Regional